Papa Highirte, de Oduvaldo Vianna Filho

R$ 45,00
. Comprar  
Escrito em 1968, Papa Highirte é o trabalho teatral mais significativo sobre o esforço da esquerda perante o autoritarismo, a tortura e a repressão dos anos mais duros do governo militar Juan Maria Guzamón Highirte, conhecido como Papa Highirte, é um ex-ditador que agora está exilado na fictícia república latino-americana de Montalva.

Após ser deposto por generais de seu governo, Papa deixa sua terra natal, a também ficcional Alhambra, e passa a viver em um bunker com seus empregados Grissa e Morales, e com sua amante Graziela. Seu cotidiano é entremeado de memórias dos decretos e feitos “para o bem do povo de Alhambra”, até que um novo motorista chega para abalar suas certezas sobre si. O soturno Pablo Mariz, amante de Graziela, é interrogado por Papa e Morales, mas, apesar da desconfiança de ambos a respeito da origem do rapaz, consegue o trabalho. Ao longo da trama descobre-se a verdadeira intenção de Mariz: vingar-se de Highirte pela morte de seu amigo Manito. Escrita em 1968 – um dos anos mais conturbados politicamente em todo o mundo – a peça foi intitulada em alusão ao ditador haitiano que governou de 1957 a 1971, François Duvalier, conhecido como Papa Doc, e tem três temas centrais: o declínio do populismo caudilhista, a organização das militâncias de luta armada e a influência da política externa estadunidense no continente americano. Personificando cada um desses assuntos em personagens bastante pitorescos, Oduvaldo Vianna Filho escreveu o trabalho teatral mais significativo sobre o esforço da esquerda perante o autoritarismo, a tortura e a repressão daqueles anos. Liberada para publicação e encenação somente em 1979, no início da chamada redemocratização, Papa Highirte é, na opinião de muitos críticos, um retrato sintético e perfeito do panorama político das repúblicas latino-americanas. Cinquenta anos depois, a pertinência da leitura de Papa Highirte se amplia à medida que o Brasil se depara novamente com o peso do modelo estadunidense, com a concretude do revisionismo histórico acerca do período de governo militar e com a ascensão do autoritarismo na política. Em si, a nitidez e a sensibilidade da percepção de Vianna Filho a respeito das forças que estavam em jogo já permitem que a leitura de Papa Highirte seja imprescindível nos dias de hoje. A edição da Temporal contém Apresentação e Posfácio da professora e pesquisadora Maria Sílvia Betti (org.), fotos e ficha técnica da primeira montagem da peça e sugestões de leitura a respeito da obra do autor.
• Prazo para postagem:
Veja também