Trabalho imaterial: formas de vida e produção de subjetividade

R$ 35,00
. Comprar  
Este livro reúne cinco ensaios sobre transformações do trabalho – estudos pioneiros sobre sua centralidade no pós-fordismo – publicados em sua maioria na revista francesa Futur Antérieur (fundada pelo pensador da nova esquerda italiana, Antonio Negri). Em uma época marcada, por um lado, pela crise do taylorismo e do emprego formal baseado no chão fabril e, por outro, pelas multiplicações das pesquisas sobre o modelo neoindustrial de inspiração japonesa, estes textos apontam a qualidade nova, comunicacional e linguística do trabalho nos dias de hoje. Indeterminado e aberto, o tempo associado à realização de um ofício libera-se dos parâmetros rígidos e padronizados dos modelos de produção de outrora, assumindo contornos mais fluidos. O conceito de trabalho imaterial é proposto como o mais adequado para dar conta das dimensões pós-industriais. Negri e Lazzarato fundamentam-no em pesquisas empíricas e na recuperação das antecipações que Marx, nos Grundrisse, fez sobre socialização do trabalho e intelectualidade de massa. A obra estabelece um paralelo entre a origem da noção de trabalho imaterial e o movimento operaista italiano (de cunho neomarxista) da década de 1970. Emblema do taylorismo, o operário-massa, massificado pela serialização industrial e pelo nivelamento amorfo de suas qualidades, vê-se substituído pelo operário-social, muito mais autônomo e valorizado em sua subjetividade crítica. A nova relação entre produção, distribuição e consumo é exemplificada com o italiano Benetton. Na visão de Lazzarato, trata-se de um “empresário deveras estranho” por não ter operários, fábricas ou redes de distribuição. Sua estratégia é, mais do que gerir, “federar” a produção industrial, proporcionando a “construção social do mercado”.
• Prazo para postagem:
Veja também