Um Jogo Perigoso , Adilia Lopes

R$ 35,00
. Comprar  

Dona de uma imaginação única, sua poesia é capaz de dar rasteiras espetaculares no leitor, ao misturar vocabulário da mecânica quântica e citações cifradas a/de autores clássicos, com a lógica mental das vizinhas, das tias velhas, das bonecas de louça, a vidinha em Lisboa, as osgas (lagartixas, no português de Portugal), deixando-nos desamparados – e apaixonados.

Mas não se engane: apesar da aparente doçura, vinda da observação atenta de um cotidiano que apenas na superfície não é espetacular, os versos de Adília nada têm de inocentes. A desconfiança que ela tem não é com a vida, é com a linguagem. Isso faz com seus poemas sejam quase uma denúncia contra ela. Nas palavras da própria Adília, em entrevista para Carlos Vaz Marques, em 2005: “(…) a linguagem também mascara muito o que a pessoa diz”.

Agora, me digam: quão bonita é essa colocação? Nem Wittgenstei pra dizer uma lindeza dessas, bicho.

Adília Lopes nasceu Maria José da Silva Viana Fidalgo de Oliveira em Lisboa, a 20 de Abril de 1960 (é, portanto, taurina, como Hilda Hilst e Karl Marx, outros dois heróis particulares desta que vos escreve). É uma poetisa, cronista e tradutora portuguesa. Estudou Física (reparem bem no poema “O presente”, deste livro: é uma tese sobre o gato de Schrödinger!). Abandonou a faculdade por conselho médico, devido a uma psicose esquizo-afectiva, episódio provavelmente gerado pelas questões filosóficas dentro do estudo da Física. Foi estudar letras em 1983 e começou a escrever. Em 1984 já estava sendo publicada por aí. Em 1985 veio este livro, bastante perigoso.

“Adília Lopes é pura desmistificação. Tudo o que você sabia sobre poesia precisa de ser repensado. Não há diferença entre erudição e cultura popular, existe apenas o fim absoluto do preconceito. Ternura e frontalidade. Citação e confissão. Adília é nua.”

Texto da contracapa de Valter Hugo Mãe

• Prazo para postagem:
Veja também