O gabinete negro – cartas com comentários, Max Jacob

R$ 76,90
. Comprar  
O gabinete negro é uma compilação de cartas, em sua maior parte fictícias, criada pelo romancista, poeta e pintor francês Max Jacob (1876-1944), figura central no cenário das vanguardas parisienses do início do século XX. A obra, inédita no Brasil, representa um dos melhores exemplos da estética cubista na literatura. A seleção de cartas, publicadas em 1922 e posteriormente aumentada em 1928, são, segundo o professor Pablo Simpson, especialista na obra de Jacob e autor do posfácio da edição brasileira, "um espaço de criação intelectual admirável". O escritor situa as missivas em épocas diversas - do século IX ao XX -, e assume diferentes registros de texto - da mãe para a filha, do pai para o filho, da empregada para a patroa, até uma bula papal do século IX -, numa multiplicação de escritas tecida habilmente pelo autor, como analisa Simpson. As cartas quase não têm relação entre si, o que distancia o livro do formato tradicional dos romances epistolares. Há todo tipo de queixa, pedido, conselho, descrição e declaração nos textos assinados por personagens variados. Não é difícil perceber nesses fragmentos a possibilidade de desdobramento em novelas e romances, e de fato alguns personagens estão presentes em outras obras de Jacob. As missivas são, em boa parte, seguidas de comentários de autoria desconhecida, indicando a existência de um terceiro leitor, ao qual o título do livro se refere: o "gabinete negro" era o serviço de espionagem do Antigo Regime, que interceptava e abria cartas por ordem governamental para detectar trechos comprometedores ou ameaçadores da "ordem". Diante desses comentários, o leitor final, com o livro em mãos, se depara com o próprio voyeurismo. Os efeitos cômicos são inevitáveis a partir da tensão entre as formalidades da escrita epistolar e o conteúdo das mensagens, cheias de pequenas intrigas e grandes desaforos.
• Prazo para postagem:
Veja também